sábado, 20 de julho de 2013

GOSTAVA DE SER FELIZ

Gostava de saber que "roupa" preciso de vestir para ser feliz.
Fico assim, numa espécie de palpitação de cólera, com este sentimento denso, muito pouco claro e sem reflexão.
Não estou comprometida com nenhuma ambição e esta atmosfera louca do país a que pertenço, obriga-me a estar a assistir, colada à cadeira a uma má representação teatral.
Este caos em que vivemos, enquanto sociedade, repercute-se na nossa forma de sentir.
Pertenço a este espírito do tempo, gerador de angústias e que nos incapacita a consumar grandes aspirações.
A paixão pela liberdade tornou-se servidão.
Estamos mais vulneráveis do que nunca.
Somos tratados com desdém, envenenados com todas as pequenas e grandes injustiças. Rodeados de velhacos por todos os lados.
Há dias em que saímos para a rua e tomamos o mundo como confidente, como que a gritar "Queremos ser felizes".
Ainda pasmo como um povo inteiro resiste a tanta submissão e se verga a tanta injustiça, em especial porque conhece outros possíveis.
Não compreendo esta democracia. Não compreendo esta transitoriedade, estas desigualdades sociais.
Não compreendo estes negócios e não tenho qualquer apetência para os entender.
O dinheiro para um americano será uma expressão da sua autoridade moral, mas para mim que sou portuguesa, ter que encarar desta maneira torna-me infeliz.
Isto não é liberdade.

terça-feira, 9 de julho de 2013