domingo, 26 de julho de 2015

vou contigo para a cama


há 24 anos era melhor

pois era... tinha menos 24 anos
"Não é suficiente ser-se possuidor de génio - o tempo e o homem devem estar em sintonia. Um Alexandre Magno nascido numa era de profunda paz pouco teria incomodado o mundo. Um Newton, nascido num covil de ladrões, poderia não mais ter inventado do que uma engenhosa forma de abrir fechaduras..."

DESVIOS DO PENSAMENTO HISTÓRICO.
JOHN CLEVELAND COTTON

sexta-feira, 24 de julho de 2015

NECESSIDADES?

Há quem queira ser artista de variedades, escritor, actor, palhaço, governante.
Homens e mulheres extremamente comuns nas relações quotidianas, um papel tão difícil para qualquer um, é mais difícil e menos desejado.
Para se ser uma mulher ou um homem excepcional é preciso ter originalidade e um poder muito grande de vontade ou se calhar possuir uma vara de Moisés, secreta, para o controlo apropriado de cobras grandes e milagrosas, mas o que há mais é barrigudos rosados e grandes belezas estragadas e com marcas de vidas passadas.
A maioria são, sem dúvida, personagens, mas quando bem olhadas, deixam-nos amargos de boca.
A maioria não tem nada na cabeça para dar a não ser um grande apetite pela bajulação. São os maiores entre os maiores.

Beth Gibbons & Rustin Man - Out Of Season [Full Album]


segunda-feira, 20 de julho de 2015

TIVESSE SIDO EU ESCRITORA

extenuada
Todos os dias a inventar novas actividades quase sem falar com ninguém fazem-me testar os meus limites.
SE FOSSE ESCRITORA PASSARIA PARA O PAPEL O QUE ME VAI DENTRO DA ALMA DIZENDO QUE ERAM AS PERSONAGENS QUE PENSAVAM E SENTIAM.
QUE BOM QUE ERA
PODERIA SUPORTAR ESTA FASE PORQUE PASSO COM A DOENÇA DA MINHA MÃE NÃO ME VENDO CONSTANTEMENTE AO ESPELHO, NÃO CONSIDERANDO QUE SOU EU QUE TAMBÉM ALI ESTOU.
MAS NÃO SOU
POR ISSO É EM CARNE VIVA
QUE  OS DIAS SE PROCESSAM.

A COLHEITA DE HOJE





sexta-feira, 17 de julho de 2015

AO POVO GREGO TUDO ACONTECE

 
hoje foi um incêndio desmesurado
UMA CLAREIRA, ELES E NÓS, PRECISAMOS EM TANTA DESGRAÇA

DESEJO

CIAO! VOU DE FÉRIAS, gostava de dizer.
Mas não vou.

quinta-feira, 16 de julho de 2015

FC 1975: José Mário Branco - "Alerta!"


NÃO É DE CRISTAL

MAS TEMOS PENA

BELEZA

A folhagem das árvores com um claro dourado do sol a dar-lhe.
As folhas cordiformes amarelas e verde como as lagunas ensombradas.
As folhas borboleta da gingko-biloba e as terminadas em coração do donzelinho.
As que parecem carne transparente com dedos finos.
As oblongas de cor de coral.
E os aromas vivos, acres, doces que até as abelhas os procuram.
Folhagens que se ressentem da falta de amparo e carinho, algumas são tristes e outras choram mesmo implorando que as tirem do deserto porque morrem à sede.
Quando os melros se atravessam no seu voo rectilíneo, disparando dum lado ao outro com o canto da sua alegria de viver, todas nós, árvores e eu, sorrimos e viramos a cabeça dum lado para o outro com a alma agradecida.
As carriças também são engraçadas, passarinhos miudinhos que ficam tempos infinitos no mesmo ramo, com ar aparvalhado.
Também gosto das árvores no Inverno a fazerem de sinos e num dia de vento, na Primavera, a dançarem e a cantarem em coro, como as bétulas ou vidoeiros que quando jovens têm um tronco belíssimo, fora de série mesmo.

quarta-feira, 15 de julho de 2015

tristeza

'Dezenas de contentores com medicamentos permanecem fechados nos cais do Pireu: não há dinheiro para os desalfandegar'

O QUE OS GOVERNOS SOCIALISTAS E SOCIAIS-DEMOCRATAS COMANDADADOS PELA EUROPA E FMI FASCISTAS FIZERAM  UM POVO LINDO.

e não me venham com a história de que eles gastam muito senão argumento com a realidade dos suicídios que são aos milhares. Quem gasta muito e não paga são os ricos gregos, os ricos portugueses, os ricos de todo o mundo, não o povo que trabalha para eles e lhes enche a barriga.

alegria

Chegaram os pêssegos amarelos

segunda-feira, 13 de julho de 2015

quero paz

no MUNDO

Consolação, Carcará, Aleluia e Zelão - Elis Regina, Jair Rodrigues, Bade...


MAIS PINHEIROS E MENOS EUCALIPTOS EU QUERIA

-Ai flores, ai flores do verde pino,
se sabedes novas do meu amigo?
Ai Deus, e u é?

Ai flores, ai flores do verde ramo,
se sabedes novas do meu amado?
Ai Deus, e u é?

Se sabedes novas do meu amigo,
aquel que mentiu do que pos comigo?
Ai Deus, e u é?

Se sabedes novas do meu amado,
aquel que mentiu do que mi há jurado?
Ai Deus, e u é?

-Vós me perguntades polo voss' amigo,
e eu bem vos digo que é sã e vivo.
- Ai Deus, e u é?

-Vós me perguntades polo voss' amado,
e eu bem vos digo que é viv' e são.
-Ai Deus, e u é?

-E eu bem vos digo que é sã e vivo,
e seerá vosc’ ant' o prazo saido.
-Ai Deus, e u é?

-E eu bem vos digo que é viv' e são,
E será vosc'ant' o prazo passado.
-Ai Deus , e u é!
D. DINIS > (1261- 1325)

EUROPA TRISTE, FRANÇA TRISTE

A humilhação suprema vem da “bondade” de Hollande, que mandou para Atenas uma equipa de técnicos, chefiados por um alto-funcionário do Eliseu. Esse petit comité vai redigir as leis que a UE quer ver aprovadas, no Governo e no Parlamento da Grécia, até ao meio-dia de quarta-feira. Isto tem um nome: colonialismo. E um significado: Hollande não acredita na capacidade técnica dos funcionários gregos. Vindo de ondem vem, não admira

DO BLOG DO EDUARDO PITTA

NÃO É PARADOXO

É TÃO DIFÍCIL AGRADAR ALGUÉM COMO FÁCIL É AGRADAR.
SURPREENDO-ME SEMPRE COM ESTA QUESTÃO, NORMALMENTE INVOCAM AS MESMAS AS MESMAS CARACTERÍSTICAS, QUE DIZEM QUE POSSUO, PARA DIZEREM QUE GOSTAM OU QUE NÃO GOSTAM DA MINHA PESSOA.

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Icônes du Seicento | Philippe Jaroussky


LAR DE TERCEIRA IDADE




A FUGA DO FUTURO

... e o futuro deixou de existir.
Enquanto os líderes das organizações internacionais de que todos dependemos e, nós mais  do que todos, estiverem na mão de gente corrupta e de extrema-direita com as suas antenas nos governos nacionais, há a negação do tempo.
Antes, no fascismo, estávamos fechados num invólucro, atravessamos o invólucro e agora?
Diria que nos arquivaram. Somos sempre aquele país pequeno e pobre e parolo com meia dúzia de patos bravos, agora mais um pouco, já que a descendência partidária é grande. 

terça-feira, 7 de julho de 2015

ANA HARTHERLY

[PENSAR]


Pensar
é como tactear uma sombra
entrar de rastos
numa profusão de escuros


Fibrilações, Quimera, Lisboa, 2005.
Preciso de encher os pulmões de e pôr a cabeça a não pensar.

Charles Bukowski

SIM, CLARO



há coisas piores do que
estar só
mas em geral leva décadas
a perceber-se
e frequentemente
quando se percebe
é tarde de mais
e nada há pior
do que
demasiado tarde.


Charles Bukowski

É TUDO TÃO SIMPLES, QUANDO NÃO SE COMPLICA

Sim, às vezes vale a pena ser mulher neste país de machos (graças a Deus, risos).
Vem isto a propósito dum furo num pneu.
Furos de pneus venham até nós. Amen!
Esqueço-me que tenho um automóvel, não um jipe e meto-me por todos os caminhos ínvios que encontro (adoro perder-me porque me acho sempre) e pumba, furou.
Vieram 4 cavalheiros, quatro, ajudar-me a resolver o problema. Tive que escolher, delicadamente, um. O meu critério de selecção hoje foi o cheiro, um cheirou-me bem, a água de colónia ou after-shave conhecida e pronto... 'ordenei' que então.... se fizesse o favor.... me mudava o pneu, senão por quem sois...  telefonaria para a ACP. Não, que não valeria a pena tralará, tralará e pronto... O senhor bem cheiroso fez a sua boa acção duma forma simpática e cordial e eu ganhei o dia com um furo no pneu.

segunda-feira, 6 de julho de 2015

SÓ O SONHO


VALE A PENA, NÃO ME CANSO DE REPETIR. A REALIDADE É  DEMASIADO ESQUIZOFRÉNICA.

ACÁCIA VELHA

ENVIO ESTA PARA NEGOCIAR COM A TRAVESTI LAGARDE

ainda Varoufakis

"Nós, da esquerda, sabemos como agir colectivamente sem nos preocuparmos com os privilégios da função. Darei todo o meu apoio ao primeiro-ministro Tsipras, ao novo ministro das Finanças, e ao nosso governo", afirma Varoufakis.
A terminar, o até agora ministro das Finanças congratula-se novamente com a vitória do "não" no referendo, e deixa um alerta: "O esforço sobre-humano para honrar o bravo povo da Grécia, e o famoso OXI [NÃO] que ele deu aos democratas de todo o mundo, está apenas a começar."

domingo, 5 de julho de 2015

UM PAÍS COM ESTA JUVENTUDE, TEM FUTURO

Com 50% de desemprego, a juventude grega é o grande motor do Não

ESPECIALIZAAAADO

Capa do jornal alemão Handelsblatt, especializado em assuntos económicos


OS AMEMÃES PERCEBEM DE CERVEJA, NÃO DE GREGOS E GREGAS

OBRIGADA POVO GREGO!


já estão os chamadores da desgraça a clamar pelo sim ... QUE ENFIM... AINDA E TAL E COISA
somos mesmo uns 'coninhas'
VIVA O POVO GREGO!

DANÇANDO COM O VENTO


Elisabeth Schwarzkopf: Vedrai Carino (Don Giovanni - Mozart)


Elisabeth Schwarzkopf "Porgi amor" Le Nozze di Figaro


aqui


Provavelmente

Provavelmente não passava de um excesso de suscetibilidade da sua parte...

sábado, 4 de julho de 2015

TINHA TANTO PARA DIZER...

...que não cabe em lado nenhum.
Torna a vida mais fácil colocar barreiras entre o que sabemos  e o que não sabemos, entre a ficção e a realidade, todos o fazemos.
Pensar é uma tarefa muito complicada, para mim um processo bem moroso, já que a maioria das vezes não o faço duma forma sistemática, distraio-me com outros pensamentos episódicos.
Como a realidade dói, todos nós preferimos os sonhos.
Sonhemos então, já que na realidade quem leva um tiro deita sempre sangue, não esquecendo porém que a percepção não passa da soma dos nossos mal-entendidos.
Busquemos pois as sínteses irracionais tão próprias dos sonhos e que só alguns alcançam.

UM GREGO COM MATURIDADE


dizer não é ser seguro e ser maduro travesti Lagarde & FMI
UM GREGO AMANTE DA SUA TERRA E DO SEU POVO E SEM MEDO FAZ MEDO AOS FASCISTAS

PORQUE É PRECISO LEMBRAR

Acordo de Londres sobre as Dívidas Alemãs. Entre os países que perdoaram 50% da dívida alemã estão a Espanha, Grécia e Irlanda.
O Acordo de Londres de 1953 sobre a divida alemã foi assinado em 27 de Fevereiro, depois de duras negociações com representantes de 26 países, com especial relevância para os EUA, Holanda, Reino Unido e Suíça, onde estava concentrada a parte essencial da dívida.
A dívida total foi avaliada em 32 biliões de marcos, repartindo-se em partes iguais em dívida originada antes e após a II Guerra. Os EUA começaram por propor o perdão da dívida contraída após a II Guerra. Mas, perante a recusa dos outros credores, chegou-se a um compromisso. Foi perdoada cerca de 50% (Entre os países que perdoaram a dívida estão a Espanha, Grécia e Irlanda) da dívida e feito o reescalonamento da dívida restante para um período de 30 anos. Para uma parte da dívida este período foi ainda mais alongado. E só em Outubro de 1990, dois dias depois da reunificação, o Governo emitiu obrigações para pagar a dívida contraída nos anos 1920.
O acordo de pagamento visou, não o curto prazo, mas antes procurou assegurar o crescimento económico do devedor e a sua capacidade efectiva de pagamento.
O acordo adoptou três princípios fundamentais: 1. Perdão/redução substancial da dívida; 2. Reescalonamento do prazo da dívida para um prazo longo; 3. Condicionamento das prestações à capacidade de pagamento do devedor.
O pagamento devido em cada ano não pode exceder a capacidade da economia. Em caso de dificuldades, foi prevista a possibilidade de suspensão e de renegociação dos pagamentos. O valor dos montantes afectos ao serviço da dívida não poderia ser superior a 5% do valor das exportações. As taxas de juro foram moderadas, variando entre 0 e 5 %.
A grande preocupação foi gerar excedentes para possibilitar os pagamentos sem reduzir o consumo. Como ponto de partida, foi considerado inaceitável reduzir o consumo para pagar a dívida.
O pagamento foi escalonado entre 1953 e 1983. Entre 1953 e 1958 foi concedida a situação de carência durante a qual só se pagaram juros.
Outra característica especial do acordo de Londres de 1953, que não encontramos nos acordos de hoje, é que no acordo de Londres eram impostas também condições aos credores – e não só aos países endividados. Os países credores, obrigavam-se, na época, a garantir de forma duradoura, a capacidade negociadora e a fluidez económica da Alemanha.
Uma parte fundamental deste acordo foi que o pagamento da dívida deveria ser feito somente com o “superavit” da balança comercial. O que, “trocando por miúdos”, significava que a RFA só era obrigada a pagar o serviço da dívida quando conseguisse um saldo de divisas através de um excedente na exportação, pelo que o Governo alemão não precisava de utilizar as suas reservas cambiais.
EM CONTRAPARTIDA, os credores obrigavam-se também a permitir um “superavit” na balança comercial com a RFA – concedendo à Alemanha o direito de, segundo as suas necessidades, levantar barreiras unilaterais às importações que a prejudicassem.
(Marcos Romão, jornalista e sociólogo. 27 de Fevereiro de 2013.)

quarta-feira, 1 de julho de 2015

AGUENTEM-SE RAPAZES!

A LAGARDE  E A MERKEL COMÊ-LOS- IAM  AOS PEDACINHOS
COMO NÃO PODEM, NEM À COLHER...
ESMIFRAM O POVO GREGO MAIS UM BOCADINHO