terça-feira, 25 de abril de 2017

TRAGÉDIA

É preciso conservar os ideais para continuar a revolução. É esta a grande dificuldade.
Todos nós queremos a chave na mão, queremos tudo pronto para nos encaixarmos onde nos der jeito, ninguém quer construir o edifício.
O erro maior é pensar-se que tal como as coisas estão, é a única forma que existe.
Quem assim pensa e age desiste dum mundo melhor.
Esta forma pusilânime de sermos, para não lhe chamar cobarde, é que nos torna submissos/as às coisas, é o acharmos que nada pode ser feito.
Gandhi dizia: "seja a mudança que você quer ver". Quem de nós cumpre este princípio?
Quem pensa fazer a revolução?
Quem pensa em alterar as condições mínimas na sua vida, quem pensa alterar as condições existentes?
Vivemos numa sociedade ágrafa, que não escreve, apenas lê imagens. Pensar tornou-se mais difícil.
As pessoas suicidam-se todos os dias, eticamente falando, viciam-se em trabalho, fazem várias coisas ao mesmo tempo, distraem-se do foco, do que é verdadeiramente importante, não atendem.
As pessoas preferem o confronto ao conflito, neste dialoga-se e há divergência e isso dá trabalho, por isso mais vale romper.
Vivemos uma tragédia!
Erguemo-nos acima dos outros, achamo-nos sempre mais altos, mas o problema da tragédia é não haver esperança porque não se tem ilusão em relação às coisas.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

SÉC. XXI EM PORTUGAL

Uma democracia forte precisa duma soberania popular forte.
O povo não tem ideias, porque ter ideias é uma coisa muito rara.
A nossa classe média é feita de gente de serviços que ganha desde o ordenado mínimo até mais um bocadinho, já que o operariado deixou praticamente de existir.
O sistema político faliu em detrimento do financeiro que engordou e está de boa saúde.
Instalou-se o medo da verdade. O povo tem medo e isso impede-o de pensar.
Quem pensa o erro?
Os nossos políticos não são ousados nem criativos, por isso são maus políticos, se é que são políticos.
Vivemos num sistema corrupto, estruturalmente corrupto.
O montante do crédito em risco de empresas e particulares junto da Banca diz o Programa de estabilidade para 2017, é de 33 mil milhões de euros, o que corresponde a 12,6% do valor bruto do crédito concedido.
O Sr. António Ramalho, ex-presidente da Infraestruturas de Portugal é agora presidente do Novo Banco e com a compra do banco pela Lone Star o Sr. continuará como presidente executivo (deve ter negociado bem com o Banco de Portugal e o Estado para ter acontecido o que aconteceu , mantendo o seu lugarzinho de luxo).
O Sr. Luís Laginha de Sousa da Bolsa portuguesa depois do BES e da PT esvaziarem o mercado de capitais português, agora trabalha como consultor da empresa STJ Advisors, uma empresa de consultadoria em mercados de capitais sediada em Londres.
Estão a perceber ou nem por isso?
A violação das normas de auditoria aos grandes grupos empresariais em Portugal é quase total, começa por ocultar informação ao regulador.
O irmão do PR, Pedro Rebelo de Sousa será presidente da mesa da assembleia-geral do BCP e claro, isto anda tudo ligado.
São tantas, mas tantas as "coincidências" que não há espaço nem tempo para as sinalizar a todas.
Vivemos ou não num estado corrupto em que a política está apenas a fazer feitio?

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Maria Stuart by F. Schiller


O mito de Sísifo


BANCA SUICIDA- GOVERNOS CRIMINOSOS

A grande arma do capitalismo é o controlo dos meios de comunicação social, como só alguns percebem.
A democracia é a igualdade entre as pessoas, a criação de direitos, por isso está sempre aberta às disputas e aos conflitos.
A Sociedade democrática tem que ser aberta ao tempo porque está virada para o novo, muitos de nós esquecemo-nos disto.
O capitalismo para existir precisa do Estado, por isso se une a ele. Se o Estado não for capitalista, não há capitalismo.
Os Estados descapitalizam-se para salvar bancos falidos.
O Poder é trazido pelo capital. Mais capital, mais poder, já Luís XVI sabia disto.
A Nação é um conceito simbólico enquanto povo é um conceito concreto. O povo  'esquece-se' do mais importante.
A democracia está a transformar-se numa plutocracia.

Que sistema político é este que não se levanta contra este estado de coisas?
A Islândia levantou-se. Claro que apenas tem 400 mil habitantes se tiver, mas o que fez é o que os países com maior número de habitantes deviam fazer, por maioria de razões. No nosso país ainda querem burocratizar mais, acrescentar mais chefes, fazer e inventar regiões para se diluir cada vez mais a responsabilidade num país tão pequeno, que o único mal que tem é ser governado pelo capital.

E mais não digo, porque hoje apetece-me ser sintética, mas que  gostava de entrar numa democracia directa para ter quem me representasse, lá isso gostava. Não há no Parlamento quem me represente, nem a mim, nem a ti que estás a ler isto.




























terça-feira, 11 de abril de 2017

A POLÍTICA

A política prostituiu-se.
O sistema político sucumbiu  perante o sistema financeiro.
O desencanto acerca da  política é demasiado alto.
A sociedade já está numa fase pós-política.
Os Estados descapitalizaram-se para salvar Bancos falidos.
Um sistema político que é incapaz de dizer Não a este estado de coisas, é um sistema podre, gasto.
Quem é que o Parlamento representa?
A maioria dos cidadãos eleitores abstém-se.
Os deputados são eleitos pelos partidos.
Esta democracia parlamentar não nos representa, enquanto não houver uma democracia directa.
Há uma baixíssima participação popular  para que  uma democracia directa consiga vingar.
A democracia está a transformar-se numa plutocracia.

domingo, 9 de abril de 2017

sexta-feira, 7 de abril de 2017

ALEGRIA

A alegria, às vezes, visita-me em raros momentos de distração.
Hoje, por exemplo, bateu-me à porta.
Fiquei sem máquina de cortar erva, quando a levei a arranjar, fiquei sem bateria no carro.
Deixei o carro e vim, ao sol inclemente, passear. Ria-me comigo e sentia uma perfeita calma, assim uma sensação de leveza, algo parecida quando  estou concentrada só na leitura, aquela sensação fabulosa que não existe o  medíocre mundo lá fora, só eu e o romance ou a poesia ou o ensaio, o que for.
Ao dar o meu passeio a pé, com aquele sol, sem chapéu, costumo usá-lo, houve um certo prazer, o prazer da descontração total, agora estou sem carro, deixa para lá, primeiro está o passeio ao sol há que o sentir.
Sim, pode ser uma liberdade frágil, mas é um liberdade e é um prazer, aquele prazer que temos quando tomamos banho e naquele momento é só isso que nos apetece.
E comecei a pensar quando cheguei do passeio ao sol sem chapéu na cabeça, vou ficar com as bochechas vermelhas, entrei no carro e disse-me, ora vamos lá resolver este problema.
O prazer demora tempo, eu  já sabia mas confirmei, não tinha necessidade de fazer aquele passeio prévio, naquelas condições de temperatura, mas estava alegre, satisfeita, controle completo duma situação que à partida, por nunca ter sucedido, me era estranha.
A alegria,  estou a pensar nisso agora, deveu-se ao facto de me ter abstraído de toda a mediocridade duma situação adversa e passar à que mais me agradava, passear nem que fosse ao sol e sem chapéu.

NOMES ROMANOS DAS NOSSAS CIDADES

como se chamava a sua cidade no tempo dos romanos
 
 
Emínio, Arábriga, Alavário... que cidades são estas? Conheça os antigos
nomes romanos das cidades portuguesas.
hispania (1)
Emínio (Coimbra)
Ammaia (São Salvador da Aramenha)
Acoutínio (Alcoutim)
Aquae Flaviae (Chaves)
Arábriga (Alenquer)
Aranis, talvez Arandis (Santa Bárbara de Padrões, Castro Verde)
Arécio (Alvega)
Aruci ou Civitas Arucitana Nova (Moura)
Alavário (Aveiro)
Avêntela (Arrentela, freguesia da cidade do Seixal)
Bésuris; Esuri (Castro Marim)
Balatucelo (Bobadela, Oliveira do Hospital)
Balsa (Perto de Luz de Tavira)
Balto (Albufeira)
Bevipo (Alcácer do Sal)
Bracara Augusta (Braga)
Cale (Vila Nova de Gaia)
Cetóbriga (Setúbal)
Calípolis (Vila Viçosa)
Castra Leuca (Castelo Branco)
Cilpes (Rocha Branca, Silves)
Cinético Jugo (Cabo de Sines)
Civitas Aravoro (Marialva)
Civitas Igeditanoro (Idanha-a-Velha)
Centum Cellae; Centum Celas (Colmeal da Torre, Belmonte)
Colipo (Leiria)
Conímbriga (Condeixa-a-Velha, Sul de Coimbra)
Conistorgis (localização desconhecida no Algarve ou Baixo-Alentejo)
Dúmio (Dume)
Ebora, Ebora Cerealis, Liberalitas Júlia (Évora)
Eburobrício (Óbidos)
Egitânia (Idanha-a-Velha)
Aquabona (Coina, Barreiro)
Ipses (Alvor)
Lacóbriga (provavelmente na zona de Lagos)
Lancóbriga (Fiães, Santa Maria da Feira)
Lameco (Lamego)
Lorica (Loriga, Seia)
Longóbriga (Longroiva, Mêda)
Malateca (Marateca, Palmela)
Métalo Vispascense (Mina de Aljustrel)
Miróbriga Celticoro, ou Miróbriga (próximo de Santiago do Cacém)
Mondóbriga (Alter do Chão)
Moron (próximo de Santarém. Também apontado como Chões de Alpompé)
Mírtilis (Mértola)
Olisipo Felicidade Julia, Olisipo, Ulissípolis, Felicidade Júlia
Olisipo, Ulisseia (Lisboa)
Opidana ou Lância Opidana (Guarda)
Ossónoba (Faro)
Pax Júlia, Pax Augusta, Colônia Pacense (Beja)
Porto Alacer (Portalegre)
Portus Cale (Porto)
Portus Hannibalis ou Porto de Aníbal (Portimão. Nome associado ao
general Aníbal Barca.)
Salácia (Alcácer do Sal)
Sáurio (Soure)
Escálabis (Santarém)
Segóbriga (Segóvia, Campo Maior)
Sélio (Tomar)
Sirpe (Serpa)
Talabara (Alpedrinha, Fundão)
Talábriga (Marnel, Águeda)
Tongóbriga (Marco de Canaveses)
Trício (Covilhã)
Tubucci Aurantes (Abrantes)
Valécula (Valhelhas)
Veniatia (Vinhais)
Vila Cardílio (Torres Novas)
Villa Euracini (Póvoa de Varzim)
Vispasca (Aljustrel)
Verúrio (Viseu)

terça-feira, 4 de abril de 2017

PENSAMENTOS ACTUAIS

. Toca a sirene dos Bombeiros. A época dos incêndios abriu.

. Desistir pode ser um acto de coragem, por exemplo quando se tenta parar com a alienação e ter   mais tempo para reflectir, fazendo com que a vida corra mais devagar.

. Fica-se atordoado com tanta violência, revoltado até. Entendo por violência aquela que tira a vida às pessoas de todas as formas, nela se inclui igualmente a dos que roubam o povo, como a dos banqueiros e políticos seus aliados. Sequestram as nossas vidas.

. As pessoas ficam tentadas a seguir quem lhes oferece uma solução fácil, é este o grande sucesso       das extremas-direitas.

. Quem detém o poder, actualmente, no Mundo?

IMBECIS.

Na Europa, os povos praticamente rejeitam quase tudo que o Parlamento Europeu aprova. E tupo que aprovam é para os governos locais aplicarem de imediato.
Os países do Sul e não só, foram sangrados pelo Eurogrupo, pelo BCE e pelo FMI.

. Somos especialistas na sobrevivência.
Ontem ouvi na rádio, uma notícia que diz isso mesmo. Louro prensado vendido como haxixe na baixa lisboeta, aos turistas. Não podem ser presos estes empreendedores dado que louro não é droga.
Por outro lado, somos o único animal que está contra o próprio instinto de sobrevivência.


. Só tenho uma forma de ficar neste mundo, é nas outras pessoas, é fazer falta quando me for.


                                  

Meu Tio Iauaretê - Guimarães Rosa por Lima Duarte x264